Conceitos

Aromaterapia e Aromatologia

Óleos Essenciais e Óleos Graxos

Entenda as diferenças no estudo e uso destes compostos vegetais para a saúde, bem estar e beleza

Apesar de aromatologia e aromaterapia serem conceitos correlatos, cada um tem sua definição própria. O mesmo podemos afirmar com relação aos óleos essenciais e óleos graxos ou vegetais.

Diferença entre aromaterapia e aromatologia

O termo Aromaterapia foi criado pelo químico francês Maurice René de Gattefossé, em 1928, com o intuito de descrever as possibilidades do uso terapêutico dos óleos essenciais. Outro expoente francês foi o Dr. Jean Valnet que estudou as pesquisas de Gattefossé e fez suas próprias experiências e estudos clínicos dos óleos essenciais para problemas de saúde física e psicológica.

Nesta mesma época, a bioquímica inglesa Margaret Maury estudou o trabalho de Valnet e de forma pioneira introduziu a visão holística dentro da aromaterapia, através do uso dos óleos essenciais em massagens, de acordo com as características comportamentais e de personalidade de seus clientes.

Aromaterapia é, portanto, um ramo especial da fitoterapia onde se utiliza terapeuticamente os óleos essenciais das plantas aromáticas, os quais podem ser aplicados isoladamente ou combinados com outros óleos essenciais, de acordo com o indivíduo, suas enfermidades e necessidades. A palavra aromaterapia é formada pelas palavras “aroma” que significa “cheiro agradável” e “terapia” que significa “tratamento que visa a cura de uma indisposição mental ou física”.

Já o termo Aromatologia surgiu na década de 70, também na França, para designar uma prática mais técnico-científica do que a aromaterapia, com um estudo mais farmacológico dos óleos essenciais (farmacognosia). Este conceito foi ampliando-se e adquiriu a concepção de ‘‘ciência’’.

Aromatologia é, portanto, o ramo da ciência que estuda os óleos essenciais e matérias aromáticas dentro de suas mais variadas práticas, englobando não só seu uso terapêutico por meio da aromaterapia, como também seu uso em outras áreas, como por exemplo, na cosmética, perfumaria, gastronomia, psicologia, veterinária, agronomia, marketing, entre outros.

O que são óleos essenciais?

Óleos essenciais são substâncias voláteis produzidas por plantas aromáticas, estocadas em forma de pequenas gotas entre as células vegetais que podem estar nas folhas, pétalas das flores, tronco, raízes e sementes destas plantas. Possuem um complexidade química altíssima, o que lhes confere uma ampla ação em termos de tratamentos terapêuticos e estéticos.

Estas substância aromáticas são chamadas de óleos essenciais pelos seguintes motivos:

– ÓLEOS: porque são hidrofóbicos, ou seja, são imiscíveis em água, ou pelo menos não se misturam facilmente com a água, e também porque são lipofílicos, ou seja, se misturam (são miscíveis) com outros óleos essenciais ou mesmo em óleos graxos; estas duas características estão presentes nos óleos graxos e, por isso, a analogia com os óleos essenciais, mas veja bem, os óleos graxos são altamente viscosos, não se evaporam e na sua grande maioria, cheiram a óleo apenas, ou seja, praticamente não possuem aroma; já os óleos essenciais não são viscosos, geralmente evaporam-se facilmente e, em sua grande maioria, tem cheiro agradável (são aromáticos).

– ESSENCIAIS: em alquimia, cada essência se divide em duas partes, a seiva e o mistério.  A seiva é o aspecto físico, a matéria aromática por assim dizer; já o mistério, que é a parte perfeita de cada substância contida na matéria aromática, é formado por sua virtude, natureza e qualidade essencial. Podemos então dizer, que o óleo essencial contém a força da vida, o clã vital da planta aromática, ou seja, ele continua eternamente conectado à planta que o elaborou, à sua espécie, ao seu biotipo e à família a que pertence. Mais importante ainda é poder afirmar com toda certeza que o óleo essencial contém a fagulha da divindade que está presente no íntimo de todas as coisas vivas.

O poder dos óleos essenciais derivam das histórias complexas pelas quais passaram as plantas aromáticas de onde foram extraídos, das situações de vida que a planta passou ao longo de milhares de anos de evolução e que continua ainda, o que resultou na produção da informação aromática traduzida na sua composição química (sua inevitável materialidade) altamente complexa e qualitativa, com infinita precisão em suas ações, e com toda a certeza, compostos que melhor “entendem” de células e organismos vivos pois vieram destes e nestes atuam…

O que são óleos graxos?

Os óleos graxos, também chamados de óleos vegetais, fixos ou carreadores, como o próprio nome diz, são substâncias gordurosas, com alto teor de ácidos graxos, vitaminas e sais minerais. Também podem conter ceras, proteínas e aminoácidos.

Os óleos graxos tem compatibilidade fisiológica e/ou homeostática com o manto hidrolípidico de nossa pele, o que lhes confere um excelente uso em sinergia com os óleos essenciais, auxiliando a carrear (conduzir) estes últimos através da pele.

Os óleos graxos são extraídos das sementes, nozes amêndoas, mas também da polpa, flores e raiz de algumas plantas. São substâncias não voláteis, imisciveis em água e geralmente tem aroma muito suave.

Conceitos

 

Aromatologia

Termo agregado pelo Scientific Institute of Aromathology da França e que concebe todo o estudo científico dos efeitos e propriedades dos óleos essenciais, desde sua ação psicológica, aspectos clínicos, gastronômicos, estéticos e energéticos. É o estudo científico dos óleos essenciais.

 

Aromaterapia

Aromaterapia é uma técnica que nasceu na França nas primeiras décadas do século passado, e envolve a utilização de óleos essenciais com o objetivo de equilibrar a mente, o corpo e o espírito. A palavra “aroma” se remete a cheiro e “terapia” a cura. Se dividiu em dois grandes sistemas: a Aromaterapia inglesa, que se fixou mais no emprego dos óleos essenciais para o bem estar, seja através da massagem, inalações ou tratamentos estéticos, e a Aromaterapia francesa (ou aromatologia) que além destas abordagens abrange o emprego clínico dos óleos essenciais e seu uso como fitoterápico.

 

Aromacologia®

A “The Fragrance Foundation” e o “Sense of Smell Institute” criaram e patentearam em 1989 em Nova York, o termo aromacologia que define cientificamente a influência dos cheiros sobre as emoções e sentimentos. Aromacologia é um termo criado para descrever o conceito desenvolvido para o estudo das inter-relações entre Psicologia e Tecnologia de fragrâncias.

 

Osmologia

É o estudo dos odores, da percepção olfativa destes e das reações comportamentais e emocionais que eles evocam nos seres vivos.

 

Psicoaromaterapia

Este termo também define a utilização visando a ação psicológica dos óleos essenciais.  Na psicoaromaterapia são estudados os efeitos de óleos essenciais 100% puros, enquanto que na aromacologia, todos os tipos de aromas, naturais e sintéticos, bons e desagradáveis, são estudados.

 

Terapia Aromática Integrada

Novo termo criado e empregado pelo médico aromatologista francês Daniel Pënoel para os praticantes da aromatologia.

 

Fonte: IBRA – www.ibraromatologia.com.br